Poetizar

Poetizar
Às vezes faço versos, às vezes me faço versos!

domingo, 16 de julho de 2017

Amor primeiro

Como uma pluma voar
Levada pelos ventos
Que contam o Cruzeiro
Pousar nos braços do Amor primeiro
Que é também o derradeiro
Semeado para ser verdadeiroEterno como o firmamentoSolidificado em nossos sentimentos



Jacinta Santos
16/07/13

O Ser que Sou


Um Buscador do conhecimento Universal
Um Ser que se fragmenta para a compreensão do coletivo sabendo que cada Membro é um Universo na multidão
Um Ser que neutraliza suas opiniões Particulares para apaziguar as tempestades que prejudicam e arrastam o coletivo (ou alguém do meio do coletivo) ao abismo profundo das incertezas
Um Ser que Ilumina o seu próximo mesmo quando as inquietações balança as estruturas da sua Luz Interior
Um Buscador que encontra na mais profunda dor a força para se refazer, se fortalecer e seguir rumo ao seu caminho de plenitude
Um Viajor que Busca primeiro em Si para depois Servir à Humanidade
Um Ser Rosa Cruz. PP


Jacinta Santos 
13/07/2017

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Poesia

 Nua

Crua

Pronta para ser moldada

Cesto de lixo ao alcance

Papel amassado, jogado

 

Nua 

Crua

Rabisco e desencontros 

lápis sem ponta

Não encontro teu ponto

 

Nua 

Crua

Sem rimas

Nas linhas

Finda-se sem início, nua e crua...


Jacinta Santos 12/04/2017

 


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017



E quando não caibo mais em mim extravaso em rimas... viro belos versos de poesia... sou letras soltas no papel em branco do poeta... sou a dança que balança a caneta azul marinho... sou seus pensamentos jogados ao vento doce do amor... sou a junção do pensamento poético com o prateado da lua... derramo-me no universo dos pensamentos dos seres que utopicamente deixam o mundo real menos real...


Jacinta Santos
24/11/2016

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Recordação

Te vejo e te toco...Teu sorriso distante...Meu olhar te chama...Teu olhar tá frio, não responde...Minhas mãos não te acende...Esmurro a parede...O quadro balança...Tua fotografia parece que dança...Te ajeito de volta no quadro...Guardo meu amor no peito...Suspiro de saudade...Ainda te amo através do teu retrato.


19/08/2016

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Pela porta de casa...


Caimbé/planta nativa do lavrado de Roraima

Aqui de onde estou deitada,
Além do vento que atrevido entra porta a dentro e beija minha face
Vejo ao longe no balançar das folhas do caimbé
O brilho do sol que reflete nas folhas verde–escuras.
Minha mente viaja na bela imagem das folhas...
Atravessa os lavrados com uma rapidez voraz... 
Vai ao encontro da liberdade desejada...
Viaja ao som da canção da vida...
Aprecia os lavrados, os capinzais, reverencia as cachoeiras, mananciais, conhece as florestas, vai no ponto mais alto e sobe...
Viaja meus pensamentos, segue o caminho dos ventos... 
Encontro com o Mestre...Conhecimento...
Viaja ao longe no balançar das folhas...


Jacinta Santos
16/08/2016

terça-feira, 26 de abril de 2016

Ausência

Leia isso, escrevi para você.
Não, eu não bebi nada...
Se estou embriagada é só de amor.
Pensei em você o dia todo...
Se agora estou tão só,
ontem fui multidão com tua presença.
A madrugada está fria...
Sinto sua falta, meu amor.
Traz de volta meu Sol,
Minha alegria de viver...
A madrugada está fria...
O silêncio dos meus dias me consomem...
Tudo está tão vazio...
Não estou conseguindo pagar
o preço de te perder...
É madrugada e chamo por ti...
Não sei dizer se é solidão, saudade
ou tua ausência...
A mistura de tudo isso está me tornando um nada.
Sinto dor...
O frio da madrugada açoita meu corpo
e congela meu Ser.
Onde está você, meu amor?
Sinto, desesperadamente sinto sua falta.
Ouça o grito do meu silêncio,
Ele chama por você.
imagem: google

Jacinta Santos – Floresta Amazônica/reserva entre Manaus e Roraima. 11h e 39min